O seu site é Cross-Browser?

Você sabe a importância de ter um site Cross-Browser? Mas antes de saber se seu site é Cross-Browser ou não é preciso conceituar para não haver distorções do termo. Cross-Browser significa a habilidade de um site ou aplicação web de suportar múltiplos navegadores indiferente da tecnologia, seja HTML, CSS ou algum script client-side, como Javascript. Mais que suportar múltiplos navegadores, o ideal é que este site seja visualizado de forma idêntica independente do sistema operacional, resolução ou navegador conforme foi planejado.

Há alguns anos era moda estar escrito nos rodapés do sites “Site melhor visualizado em 800×600”, ou pior, quando os desenvolvedores determinavam qual deveria ser o browser (navegador), em que o cliente deveria utilizar ao visualizar o site. Essa prática, por mais estranha que possa parecer, era muito utilizada uma vez que o mercado de navegadores (browsers) era dominado pelo Internet Explorer, com market share superior a 90% .

Seguir esta ideologia, além de estar desatualizado, é um problema que pode atingir diretamente o seu negócio e os investimentos da empresa em comunicação. Por exemplo, o site é exibido com elementos fora do lugar,  possivelmente todo desorganizado. Essa bagunça, fruto de erros de renderização do CSS, gerar desconfiança e insegurança perante ao usuário e isso pode refletir na marca de forma inconsciente. As principais vítimas disso são as pequenas empresas em sua grande maioria são pouco conhecidas, e a internet que deveria ser a mídia de baixo custo que auxiliaria na construção da marca, faz o contrário neste caso.

A popularização dos monitores de maiores e melhores placas de vídeo, trouxeram maiores resoluções e o problema de indicar resolução a ser atualizada ganha uma proporção muito maior. Vale lembrar que resolução e apresentação do site é um dos itens a se verificar, ainda temos funcionalidades acionadas por Javascript e isso recai sobre um outro assunto conhecido como Javascript não-obstrutivo.

Até então o que era encarado como problema, era relativamente simples visto que tinha apenas duas resoluções para se preocupar. Com a evolução dos dispositivos, que vão desde monitores as TV LCD s,  celulares aos  smartphones, surgem novas resoluções e formatos jamais antes pensados, trazendo o passado ao presente.

Para resolver este problema seguem algumas dicas:´

1) Identifique a resolução do seu público-alvo

Antes de abrir qualquer programa para desenhar o layout, veja qual resolução seus usuários mais utilizam, então poderá criar as telas para seu público-alvo. Para realizar tal tarefa utilize um serviço de Web-Analytics, como o Google Analytics que fornece não somente esta, mas diversas estatística sobre seu site. Este processo facilita o planejamento das alterações sejam elas pequenas atualizações ou grandes reformas.

Recentemente, um assunto muito comentado entre os profissionais de Front-End são os layouts responsivos, que se adaptam as resoluções do navegadores e dispositivos dos usuários.

2) Trabalhe em cima das Web Standards

Procure trabalhar em cima das Web Standards, e se houver Javascript certifique-se que é não-obstrutivo,  assim as chances do seu site estar visível e funcionar para um maior  número maior de usuários aumenta.

3) Faça testes em diversos navegadores

Testar para mim é uma das fazes mais importantes no processo de desenvolvimento, seja em criação de sites ou programação de um software, embora muitas vezes por falta de tempo ou verba esta fase, principalmente em projetos web, é esquecida ou colocada em segundo plano. Realize todos os testes de todas, ou as principais, páginas do seu site nos mais variados navegadores.

4) Realize os testes primeiro em navegadores modernos

E quando realizar os testes, faça primeiro em navegadores que estão atualizados e tem amplo suporte as novas tecnologias, como o Mozilla Firefox e Google Chrome, e posteriormente rebaixe seu projeto aos navegadores ruins. Se um código não executa corretamente no Google Chrome, Mozilla Firefox, Safari, Ópera e está funcionando apenas no Internet Explorer, pergunte-se quem realmente está errado?

Espero que este texto tenha mostrado a importância do desenvolvimento de sites cross-browser e leve você, que ainda não prática, a mudar o desenvolvimento dos seus sites.

Agora retomo o título e pergunto, o seu site é Cross-Browser?

 

Artigo atualizado em 01/02/2013

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *